Com o modelo da EMBRAPII foi possível alavancar R$ 750 milhões privados em inovação

A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) completa nesta quarta-feira (2) seu sétimo ano de atividades contribuindo para o desenvolvimento de novas tecnologias que atendam as demandas da indústria nacional. Desde 2013, ano de sua fundação, já foram 1.000 projetos firmados de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), somando mais de 1,5 bilhão em investimentos, sendo aproximadamente 50% de recursos privados oriundos do setor empresarial, o que representa um total de R$ 750 milhões.

A instituição é uma organização social que conta majoritariamente com recursos oriundos dos ministérios de Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e da Educação (MEC) com os quais mantém contrato de gestão. Pratica um modelo adequado ao ecossistema de inovação brasileiro, mas inspirado em organizações internacionais, como os Institutos Fraunhofer, da Alemanha, país que ocupa o primeiro lugar no ranking de inovação Bloomberg Innovation Index 2020.

Ao compartilhar riscos de projetos com as empresas, tem objetivo de estimular o setor industrial a inovar mais e com maior intensidade tecnológica para, assim, potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional.

Para viabilizar as soluções, a EMBRAPII disponibiliza às empresas pesquisadores e infraestrutura de seus centros de pesquisa credenciados, chamados de Unidades EMBRAPII (61 distribuídos em todas as regiões do país). O valor total do projeto é dividido em três sendo aproximadamente 50% dos recursos oriundos do setor empresarial, 33% da EMBRAPII (recursos não reembolsáveis) e o restante de contrapartida não financeira dos centros de pesquisa. Além do financiamento, que não necessita de edital para o início dos trabalhos, a instituição faz o acompanhamento de metas e prazos estabelecidos no ato da contratação até a conclusão. Quase 700 empresas de diferentes portes e segmentos já foram beneficiadas.

Os projetos também podem ser desenvolvidos de maneira cooperativa, ou seja, envolvendo mais de uma empresa de diferentes portes, inclusive concorrentes, que possuam uma demanda comum. Para este segmento, a EMBRAPII possui uma linha especial de fomento que já contribuiu para a viabilização de mais de 100 projetos. Projetos de startups também possuem uma linha ampliada de crédito para que ganhem competitividade no mercado por meio da inovação e da interação com as grandes empresas.

“Neste curto espaço de tempo, a EMBRAPII se tornou um importante player nacional para o desenvolvimento de soluções tecnológicas ao fazer a ponte entre os centros de pesquisa, que integram nossa rede em todo o país, com o setor empresarial. Estamos muito satisfeitos com o crescimento da instituição e com os resultados conquistados até aqui, aumentando a competitividade e a produtividade da indústria nacional”, afirma Jorge Almeida Guimarães, diretor-presidente da EMBRAPII. “Queremos um Brasil inovador que esteja entre os principais do mundo e que se torne uma referência no ecossistema de inovação.”

Segmentos atendidos

As propostas viabilizadas são das mais diversas áreas e abrangem o desenvolvimento de satélite 100% nacional, robôs de inspeção submarina, novos princípios ativos para tratamento de câncer, tecnologias agro e automotivas, cidades inteligentes, manufatura 4.0, soluções em IoT, iniciativas sustentáveis, equipamentos de saúde para auxiliar no enfrentamento à Covid-19, entre outras.

Veja alguns cases:

Ventilador Pulmonar
Desenvolvido em parceria com a Unidade EMBRAPII – Inatel e a empresa Ventrix, é capaz de controlar com maior precisão o fluxo de gases medicinais.

Oxigenador para ECMO
Desenvolvido em parceria com a Unidade EMBRAPII – Eldorado e a empresa Braile Biomédica, o equipamento é capaz de fazer a oxigenação do sangue de maneira extracorpórea, tecnologia pioneira no país funcionando como um pulmão auxiliar.

Sanitizante natural contra Covid-19
Pesquisadores da Unidade EMBRAPII ISI Biomassa atuaram no desenvolvimento do sanitizante com ação antibactericida e antifúngica a partir do bio-óleo da macaúba. O produto poderá ser utilizado para esterilização de grandes áreas, como calçadas ou transporte público.

Descontaminador de ar
A inovação foi criada por pesquisadores da Unidade EMBRAPII – IFF (Instituto Federal Fluminense) em conjunto com a empresa Biotecam. O sistema trata o ar contaminado com uma solução desinfectante e o devolve ao ambiente, livre de vírus e bactérias, prevenindo o contágio de pacientes e profissionais de saúde.

Robô Snake
Desenvolvido em parceria com a GM e a Unidade EMBRAPII ISI Laser para solucionar uma demanda de soldas na linha de montagem. O robô é capaz de inspecionar pontos de difícil acesso.

Software para drone de monitoramento agrícola
Desenvolvido em parceria com a startup Horus e a Unidade EMBRAPII – Fundação Certi, a tecnologia embarcada no drone é capaz de identificar doenças, infestações ou falta de nutrientes na lavoura.

Monitoramento de sinais vitais
Desenvolvido em parceria com a empresa Integrare e a Unidade EMBRAPII – IF-CE, o monitor é vestível e possibilita verificar informações de frequência cardíaca, respiratória, pressão arterial e temperatura do corpo.

Fazenda Urbana
Desenvolvido em parceria com a startup Begreen, Mercedes Benz e a Unidade EMBRAPII Senai Cimatec, o sistema possibilita o cultivo de hortaliças sem utilização de terra, com controle de água e temperatura.

Flatfish
Pesquisadores da Unidade EMBRAPII Senai Cimatec atuaram no desenvolvimento de um veículo submarino autônomo capaz de realizar inspeções visuais em 3D de alta resolução para alcançar níveis avançados na exploração petróleo e gás em águas profundas.

Robô de inspeção de galerias pluviais
Desenvolvido em parceria com a startup Roveq e a Unidade EMBRAPII- IFF, o robô, adaptável e a prova d’agua, tem como objetivo localizar por meio de imagens deslocamentos ou obstruções em tubulações de galerias pluviais.


Analise de solo agro
Com laser de alta energia, o equipamento vai medir a quantidade de nitrogênio, micronutrientes e contaminantes em amostras de solos, plantas e fertilizantes. A tecnologia é semelhante à usada em Marte pela NASA. O desenvolvimento da inovação é da startup Agrorobótica com a Unidade EMBRAPII – IFSC/USP.

arrow-down arrow-left arrow-right arrow-up Close Contato E-mail Facebook Google Home Instagram Linkedin local minus phone Pinterest plus Busca comparilhar telephone Twitter user view YouTube line-contact line-email line-facebook line-google line-home line-instagram line-linkedin line-local line-phone line-pinterest line-plus Busca line-share line-telephone line-twitter line-user line-youtube